quinta-feira, 11 de outubro de 2012

As palavras que sempre te quis dizer

Há por aí palavras entaladas no peito ou na garganta? Alguma dor antiga ou recente que teima em não desaparecer? Retalhos de amores impossíveis, ou ódios congelados e febris? Quem é que sente uma raiva do tamanho do mundo? E uma ternura a transbordar da pele e dos olhos de água?

Sabem de fogos que ardem sem se ver a precisar do corpo da mensagem para dar luz a tanta chama?

Ainda temos textos da última oficina - «A minha vida dá um livro» - para publicar. Mas, e em parte a pedido dos participantes, vamos avançar já com um novo tema. Muito resumidamente, será em torno de «as palavras que sempre te quis dizer».

Que palavras serão estas? É o que se verá durante as próximas oficinas de escrita, agora centradas nas elegias do amor e do ódio.

Em breve, informações mais detalhadas sobre datas, horários, inscrições e pagamentos.